Estados Unidos estudam adotar rotação de firmas

Por Jesse Hamilton

A autoridade americana que regula os auditores está considerando formalmente a possibilidade de forçar as companhias abertas a substituir rotineiramente as firmas que auditam suas demonstrações financeiras.

O Public Company Accounting Oversight Board (PCAOB) decidiu anteontem, por cinco votos a zero, abrir um período de comentários públicos sobre a ideia de estabelecer limites de duração para as auditorias. Os proponentes afirmam que essas restrições poderão eliminar a influência inadequada que as empresas podem exercer no longo prazo sobre seus auditores.

“A associação prolongada das grandes firmas de auditoria com seus grandes clientes é uma questão que precisa ser resolvida para que o PCAOB possa cumprir sua missão”, disse o presidente do órgão, James R. Doty, antes da votação.

O rodízio obrigatório dos auditores deveria ser considerado por causa “do tamanho, complexidade e risco sistêmico encontrados hoje na população de emissores”, disse Doty.

Das chamadas “Big Four”, as quatro maiores firmas de auditoria e contabilidade do mundo, a PricewaterhouseCoopers (PwC) não quis comentar a votação. A Deloitte & Touche, a Ernst & Young e a KPMG também não quiseram fazer comentários individuais, alegando que suas respostas virão por meio do Center for Audit Quality, um grupo que defende os interesses do setor em Washington.

“Conforme observado por vários membros do conselho, uma análise de custo-benefício deve ser uma parte central do projeto”, disse em um comunicado Cynthia Fornelli, diretora-executiva da associação. Mesmo com uma votação unânime, membros do conselho demonstraram reservas que poderão colocar em dúvida a eventual adoção do rodízio obrigatório.

“Tenho sérias dúvidas de que o rodízio obrigatório seja uma maneira prática ou eficiente do ponto de vista dos custos para fortalecer a independência”, disse o membro do conselho Daniel L. Goelzer, ontem. “O rodízio de firmas não será barato para as empresas americanas.”

A medida do conselho limitaria o número de anos consecutivos que uma firma de auditoria poderá trabalhar para um cliente. Ele combateria “a pressão que os auditores enfrentam para desenvolver e proteger as relações de longo prazo com os clientes, em detrimento dos investidores”, disse Doty.

O conselho disse que está aberto a ideias alternativas que venham a estimular a independência dos auditores.

O PCAOB, uma organização sem fins lucrativos autorizada pela Securities and Exchange Commission (SEC) como autoridade reguladora das firmas de auditoria que trabalham com companhias abertas americanas, vai recolher comentários públicos por 120 dias, analisando-os na preparação para outra reunião em março.

Martin Baumann, auditor-chefe do conselho, observou que o pessoal de pesquisa e análise do PCAOB até agora “não encontrou correlação entre as falhas de auditoria e a duração do período que as auditorias trabalham com as empresas”.

O Sistema de Aposentadoria dos Servidores Públicos da Califórnia e a administradora de fundos de pensão Tiaa-Cref, de Nova York, estão entre as instituições que já aplicam o rodízio, segundo o PCAOB.

Fonte: Valor Econômico

Compartilhar

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter