Olympus diz ter caixa para manter operação

Por Mariko Yasu, Takashi Amano e Chris Cooper | Bloomberg, de Tóquio

A Olympus, fundada há 92 anos, tem a sua disposição caixa suficiente para continuar operando em meio às investigações sobre esquemas para ocultar perdas com investimentos, disse ontem o presidente da companhia, Shuichi Takayama.

“Continuamos concentrados em nosso trabalho e nossas responsabilidades. Nossa tesouraria vai cuidar das questões financeiras”, escreveu Takayama na intranet da companhia, fornecendo depois uma cópia para a Bloomberg. Takayama disse que hospitais estão solicitando detalhes sobre o escândalo antes de se comprometerem com encomendas e que um hospital cancelou uma compra.

A fabricante japonesa de câmeras e maior produtora de endoscópios do mundo, que está sendo investigada por irregularidades contábeis por autoridades japonesas, britânicas e americanas, reuniu-se na quarta-feira com funcionários de instituições financeiras em Tóquio para pedir apoio a elas. Takayama escreveu que a Olympus “conseguiu a simpatia” de várias dezenas de instituições financeiras na reunião.

Os três maiores bancos do Japão tinham em 31 de março empréstimos combinados de longo prazo pendentes na Olympus de 235,2 bilhões de ienes (US$ 3,1 bilhões), segundo demonstrações financeiras divulgadas pela companhia de Tóquio em 29 de junho. Os empréstimos de longo prazo da Olympus cresceram para 527 bilhões de ienes nos últimos cinco anos, quando o ex-presidente do conselho de administração Tsuyoshi Kikukawa fez aquisições que incluíram a oferta hostil do Gyrus Group por US$ 2,1 bilhões.

Na semana passada, a Olympus disse que ocultou perdas com investimentos na década de 1990, usando comissões infladas pagas a consultores na aquisição da Gyrus – uma fabricante de equipamentos médicos – em 2008 e na compra de três outras companhias no Japão.

A Olympus informou ter contabilizado um lucro operacional inferior no primeiro semestre fiscal, comparativamente a igual período do ano passado. A retração se deveu à queda das vendas.

A empresa registrou um lucro operacional de 16,9 bilhões de ienes (US$ 220 milhões) no período de seis meses encerrado em 30 de setembro, comparativamente aos 19,8 bilhões de ienes do mesmo semestre do ano passado, segundo relatório encaminhado pela fabricante aos bancos credores na quarta-feira e divulgado ontem por meio da Bolsa de Tóquio.

A companhia isse que pretende divulgar seus resultados completos do segundo trimestre fiscal em 14 de dezembro, depois que o relatório for revisado pela auditoria.

Na semana passada, a empresa foi colocada sob observação para um possível cancelamento do registro pela Bolsa de Tóquio, depois de declarar que descumpriria o prazo para encaminhar os resultados. Durante o primeiro semestre fiscal, a companhia registrou 416 bilhões de ienes em vendas, comparativamente aos 419 bilhões de ienes do mesmo período do ano fiscal anterior, segundo o relatório.

A Nippon Life Insurance, maior acionista da Olympus, e sua subsidiária Nissay Asset Management reduziram a participação acionária conjunta na Olympus de 8,18% para 5,11%, segundo documento encaminhado ontem ao Ministério da Fazenda do Japão.

Para o diretor aposentado Koji Miyata, a Olympus deveria reconduzir Michael C. Woodford ao cargo de diretor para reconstituir a confiança perdida depois que a companhia reconheceu ter encoberto prejuízos.

Miyata, 70, instaurou o site “Olympus Grassroots” no dia 11 e tem atualmente pelo menos 356 pessoas registradas como adeptas da ideia, entre os quais alguns funcionários da ativa, disse ele. Miyata, que conhece Woodford há 25 anos, disse que não contatou o ex-principal executivo a respeito do site.

Woodford foi demitido como presidente e principal executivo em 14 de outubro, depois de ter entrado em confronto com o conselho de administração sobre pagamentos superdimensionados feitos aos prestadores de assessoria para a aquisição do Gyrus Group.

“Quero o apoio dos funcionários para que a direção possa reconduzir Woodford ao cargo”, disse Miyata, que foi diretor da Olympus de 1995 a 2006, em entrevista concedida em Tóquio na quarta-feira. “Ele foi o único que agiu corretamente como diretor quando surgiram todas as denúncias.”

A Olympus perdeu cerca de 70% de seu valor de mercado desde a demissão de Woodford. O Hospital da Universidade Okayama decidiu cancelar a compra de um endoscópio da Olympus, disse o doutor Yoshiro Kawahara, juntando-se à Southeastern Asset Management e a outros acionistas nas críticas à governança da empresa.

“Minha impressão é que a Olympus fez um giro de 180 graus”, disse Kawahara em entrevista por telefone na quarta-feira. “Agora é uma empresa horrível para mim.”

A Baillie Gifford e a Harris Associates estão entre os investidores que pedem a volta de Woodford. A Southeastern Asset, detentora de cerca de 5% do capital da Olympus, disse no dia 8 que os membros do conselho de administração da companhia deveriam pedir demissão imediatamente e que deveria ser convocada uma assembleia geral extraordinária dos acionistas. (Colaborou Kazuyo Sawa)

Fonte: Valor Econômico

Compartilhar

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter