Veja os pecados que levam novas empresas a fechar as portas

Ao todo, 20.008 unidades faliram no ano passado.

A loja de peças para geladeiras dos sócios Élder Menezes, de 36 anos, e Rômulo Domingues, de 33, foi muito bem no início: faturava R$ 40 mil mensais. “Nosso preço era bom e o atendimento diferenciado, com suco e cafezinho”, recorda o mais velho. No entanto, o rio de dinheiro sonhado pela dupla secou menos de dois anos após a inauguração do ponto. O vilão da história foi o calote de clientes. “Chegou a mais de R$ 20 mil e faltou capital de giro. A empresa adoeceu, entrou no CTI e não conseguimos salvá-la”, lamenta o mais novo. O pesadelo deles é mais comum do que muita gente pensa: balanço da Junta Comercial de Minas Gerais (Jucemg) referente a 2010 mostra que, em média, 55 empresas fecham as portas todos os dias no estado. Ao todo, 20.008 unidades faliram no ano passado.

E o que faz tantos empreendimentos fecharem as portas numa época em que a economia nacional bate um recorde atrás do outro? A pedido do Estado de Minas, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) elaborou a lista dos sete pecados capitais que levam boa parte dos negócios ao fracasso. O primeiro deles é a falta de planejamento. “Erro comum de vários postulantes a empresários é achar que o dinheiro da caderneta de poupança ou o recurso de uma rescisão do contrato de trabalho ou até mesmo a grana conseguida com a venda do veículo é suficiente para montar o próprio negócio”, diz Mara Veit, gerente de Atendimento ao Empreendedor da entidade.

A ex-microempresária Gabriela Costa, de 29, reforça o alerta da especialista. Ela abriu uma loja de vestuário, no Bairro Funcionários, na Região Centro-Sul da capital, com a esperança de ganhar dinheiro com o próprio negócio. O leque de produtos era bastante diversificado e de muito bom gosto, o que atraiu uma clientela razoável, atendida por ela e dois funcionários. No entanto, a jovem não contava que a maioria das vendas seria a prazo, o que dificultou o pagamento das chamadas contas fixas mensais, como luz, água e, principalmente, o aluguel, que era de R$ 2,2 mil. Apesar do carisma no atendimento e dos bons produtos expostos na vitrine, Gabriela não teve outra saída a não ser fechar a empresa.

“Planejamento é fundamental. No meu caso, o investimento havia sido baixo. Assim como muitas pessoas fazem, também abri o meu negócio com o valor exato. Ou seja, sem capital de giro. A gente fica contando com o dinheiro das vendas para movimentar a loja, como comprar estoque e pagar contas, mas se esquece que boa parte do pagamento é parcelado”, explica Gabriela, que fechou o ponto quase três anos depois de inaugurá-lo. Hoje, ela é gerente de uma loja de cosméticos no Shopping Boulevard, na Região Leste de Belo Horizonte. “Além das contas fixas, ainda há os impostos. Você tem de ter pelo menos seis meses de recurso reservado para esses pagamentos”, acrescenta a especialista do Sebrae.

Decisões baseadas na intuição também são um grande pecado capital que precisa ser evitado. O erro, como ocorreu com Kênia Assis Martins, de 33, pôs fim à sua empresa que oferecia diversão à criançada enquanto os pais faziam compras num shopping da Região Oeste da cidade. O amplo espaço contava com piscina de bolinhas, escorregador e área para desenho e pintura. Mas, depois de engravidar, sua dedicação ao local ficou limitada. “A coisa desandou mesmo quando minha filha nasceu, pois precisei deixar o negócio nas mãos de funcionários. Perdeu o rumo. Recorri a empréstimos no banco e não adiantou”.

Longo prazo Já os sócios Élder e Rômulo, que não tinham empregados, fecharam as portas em razão dos calotes. Mas admitem que faltou à dupla uma visão de longo prazo, outro pecado capital do mundo dos negócios. Isso porque, apesar da inadimplência de alguns clientes, a empresa poderia ter sobrevivido se tivesse capital de giro ou se as retiradas feitas por ambos, durante o período de vacas gordas, ocorressem após o segundo aniversário da loja.

“O pequeno empresário não pode ter prolabore em menos de 24 meses. A gente tinha despesas fixas e algumas variáveis. Depois dessa experiência, sempre alerto às pessoas que desejam abrir seu negócio que façam um curso de empreendedorismo. É preciso fazer a chamada análise swot, ou seja, pesquisar as forças e as fraquezas internas e externas do mercado”, diz Rômulo, que hoje está no sexto período de administração. Ausência de foco, comodismo, baixo investimento em inovações e falta de controle financeiro também fazem parte dos sete pecados capitais que não podem ser cometidos pelos empresários.

Sobreviver dois anos é o desafio

Especialistas alertam que sobreviver aos dois primeiros anos é um grande desafio para a maioria das empresa. “Preciso ter recurso para manter o meu negócio, pois tenho de vender a prazo e quem vai pagar minhas contas no fim do mês? Preciso de um capital de giro, e isso é um dos maiores problemas”, reforça Mara Veit, gerente de Atendimento ao Empreendedor do Sebrae. A cada cinco anos, a entidade elabora a taxa de mortalidade das micro e pequenas empresas mineiras. O indicador, que mostra a quantidade de empreendimentos que fracassaram antes de completar dois anos, foi de 14,3% em 2007, ano da última edição.

Uma das ferramentas usadas para a sobrevivência no mercado competitivo é a inovação. “A empresa tem que enxergá-la como gestão de qualidade. Precisa tratá-la de forma profissionalizada dentro do empreendimento. Hoje, há várias ferramentas para dar sustentatiblidade aos empresários. Não pode ser apenas a inovação tecnológica” , explica Célio Cabral, gerente de Inovação do Instituto Euvaldo Lodi, criado pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI) em 1969.

Ele acrescenta que muitas inovações fogem à tecnologia, mas são capazes de revolucionar todo um segmento: “É o caso da comida a quilo, que revolucionou todo o segmento de bares e restaurantes na década de 1990”.

Mulheres

A taxa de mortalidade das empresas, elaborada pelo Sebrae, não informa a faixa etária e o sexo dos proprietários que precisaram fechar seus negócios, mas, segundo a especialista da entidade, “o número de mulheres que participam dos eventos (da entidade) é maior do que o dos homens”. “Percebo que elas são mais cautelosas na abertura de negócios, principalmente, nas áreas comercial e de serviços. Tenho cada vez mais certeza que elas transferem a habilidade de administrar a casa para o negócio”, acrescenta Mara.

Fonte: Diário de Pernambuco

Compartilhar

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter